2

XI Encontro das Comissões de Odontologia Hospitalar contou com diversos representantes dos CROs

O CROGO sediou, entre os dias 18 e 19 de maio, o XI Encontro das Comissões de Odontologia Hospitalar (ECOH) dos Conselhos Regionais de Odontologia, que contou com representantes dos CROs do Amazonas, Maranhão, Pará, Tocantins, Bahia, Ceará, Pernambuco, Sergipe, Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul.
Na avaliação da presidente da Comissão de Odontologia Hospitalar do CROGO, Dra. Camila de Freitas M. Soares Silveira, o encontro foi positivo, uma vez que teve a participação de representantes de quase todos os estados brasileiros e do Distrito Federal. “Tivemos também representantes da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), Sindicato dos Odontologistas (SOEGO), ABO Goiás, Uniodonto e entidades políticas. Discutimos importantes questões do exercício da Odontologia Hospitalar e da execução da RDC 07, que determina a presença do CD (cirurgião-dentista) no atendimento aos pacientes internados em toda Unidade de Terapia Intensiva (UTI)”, disse.
No primeiro dia do encontro, que contou com a apresentação da Banda do Corpo de Bombeiros do Estado de Goiás, na abertura, houve a apresentação e discussão de demandas em relação à ANS. Houve também a elaboração de proposta de um novo texto para apresentação à ANS sobre a Súmula Normativa nº11, de 20 de agosto de 2007 (da ANS), além da elaboração de um rol mínimo de procedimentos a ser protocolado na ANS para o financiamento por parte das operadoras de saúde.
No período da tarde, ocorreu um debate sobre a RDC 07, da Anvisa. O debate contou com a participação do presidente do CROGO, Dr. Renerson Gomes dos Santos, e representantes do Soego, Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia, Secretaria Estadual de Saúde de Goiás, Conselho Regional de Medicina de Goiás (CREMEGO) e ABO-GOIÁS.
Já no segundo dia, os representantes dos CROs puderam apresentar propostas para o capítulo de Odontologia Hospitalar do Código de Ética Odontológica. Foi definido também o local do próximo encontro, que será em Salvador, na Bahia, em setembro próximo.
Esforço para normatizar
Presidente da Comissão de Odontologia Hospitalar do CRO-RS e do CFO, Dra. Jacqueline Webster, diz que o esforço das Comissões de Odontologia Hospitalar dos CROs, que se reúnem desde 2011, tem sido no sentido de trabalhar a normatização e regulamentação da habilitação em Odontologia Hospitalar.
Na avaliação da cirurgiã-dentista, a Odontologia Hospitalar necessita de mais diretrizes. “Os corpos clínicos dos hospitais já compreendem a presença do cirurgião-dentista e o benefício que ele traz para o hospital. Mas, precisamos de diretrizes do Ministério da Saúde, normatizações, legislação que nos ampare. Precisamos ampliar o Código de Ética na sessão da Odontologia Hospitalar. Precisamos de um regimento interno do corpo clínico que nos ampare no hospital”, afirma.
“Temos qualificação, temos profissionais para atuar, já somos razoavelmente bem aceitos dentro do hospital, mas nos falta normatização”, acrescenta.
Segundo a Dra. Jacqueline Webster, as comissões sempre trabalham com sugestões a serem apresentadas ao CFO para auxiliar a autarquia quanto à normatização da Odontologia Hospitalar como área da Odontologia.
Residência
As comissões de Odontologia Hospitalar dos CROs esperam que a qualificação para a Odontologia Hospitalar, feita desde 2011, seja a residência. “Para formarmos um profissional habilitado e com capacitação para atuar dentro de um hospital, é preciso vivenciar o ambiente hospitalar. Para vivenciar isso, o profissional terá que passar muitas horas trabalhando no hospital, interagindo com as equipes multidisciplinares. Por isso é a residência é a melhor escolha”, acredita.

Voltar

Lista de Notícias

Confira a lista completa de notícias

Notícias sobre o que acontece, novidades e muito mais.